Da garotinha que cozinhava para os manos à empresária reconhecida

Cozinhar é uma arte, a arte de servir, transformar e agradar. Seja profissionalmente, por uma renda extra, por necessidade ou por hobby, essa atividade faz parte da história das nossas famílias. Em homenagem ao Dia Internacional da Mulher, trouxemos a história de vida de Andréia Cechinatto, empresária do ramo gastronômico, que lidera o Restaurante Andréia Gourmet em Santo Augusto.

Por trás do seu buffet delicioso e do restaurante lotado, uma história inspiradora, de quem começou pequeno e cresceu com dedicação e aperfeiçoamento constante ao longo de toda a vida.

Tudo começou quando era uma menina, ainda na casa dos pais.

Com oito anos a menina Andreia já se familiarizava com as panelas. O motivo? Cozinhar para os dois irmãos mais novos enquanto a mãe trabalhava como “bóia fria” e o pai como pedreiro. Se Deus sabe o que faz, Andréia não tem dúvidas. Nunca planejou ter um restaurante, mas acredita que este era um planejamento de Deus para ela. E ela tem razão. A cada novo cliente, seu propósito se fortalece: cozinhar para sustentar a família e matar a fome de zelo que só uma comida boa feita por quem tem fé, contempla.   “Não posso dizer que alguém me ensinou a misturar sabores e sim que foi um “dom” que o Senhor me deu”, lembrou ela que teve sua primeira experiência profissional gastronômica aos 16 anos, quando foi contratada por uma família em Campo Grande. O primeiro prato? Batata frita e bife acebolado na capital do Mato Grosso do Sul para a Família Rotilli, “eu estava muito nervosa, nunca esquecerei do dia que fui contratada para cozinhar pela primeira vez, apesar de ser um cardápio simples”, detalhou.

 

Com muita facilidade para aprender, Andréia iniciava com 16 anos – lá em Campo Grande- sua carreira como empreendedora, uma carreira que a levaria rumo ao seu empreendimento mais adiante.

 

A cada nova receita aumentava seu amor pela culinária.

 

No seu caminho, muitas pessoas influenciaram positivamente a empresária que hoje trabalha juntamente com uma equipe de 12 funcionários. Entre os “anjos” (como ela costuma dizer) que a incentivaram neste percurso, Dulce Macagnan apareceu: “Dulce conversava comigo sobre comida chinesa, e me incentivou a cozinhar para ela, isso foi há 20 anos. Mergulhei nas receitas orientais dos Yakisobas e Frangos a xadrez na casa da cliente Dulce. Essas pessoas que foram surgindo e me solicitando receitas, que se transformaram em peças fundamentais no meu processo até inaugurar o primeiro restaurante”, disse.

 

Cada novo cardápio solicitado, uma nova Andréia surgia com mais estudos e aprofundando os conhecimentos.

 

“Acredito que Deus sonhou, planejou e colocou tudo no lugar certo e na hora certa, além dos meus muitos anjos(pessoas) que me ajudaram na minha caminhada”.

 

Lembranças 

 

“Fui convidada a ser ecônoma do Clube 7 de Setembro, tive incentivo da Claídes e da Rozane…mas quem me levou mesmo a abrir o Restaurante foi a Tereza Baraldi (que não parou de falar enquanto eu não disse, “ok, vamos abrir”, isso em novembro de 2016…abrimos o restaurante em 1° de dezembro de 2016 em anexo ao Clube 7 de Setembro”.

 

Casa em ordem

 

Andréia se vira nos 30 para cuidar da família e dos negócios. Este ano, de acordo com ela, é hora de colocar a casa em ordem. “Temos muitos projetos, porém, agora, precisamos colocar tudo no lugar, os 2 anos de Covid nos trouxeram muitos contratempos… Neste ano é colocar a casa em ordem. E todo o resto está nas mãos de Deus”.

 

Casada com Ulisses, mãe de Jean Henrique e Everton, Andréia e o marido administram o Andréia Gourmet que recebe, em média, 180 pessoas por dia, (mais viandas e marmitex). Entre os novos projetos o salão de festas se destaca.  A mestre-cuca está também colocando em prática um projeto antigo: as noites temáticas, no momento a culinária japonesa-noite do sushi está em pauta, “fizemos curso para aprendermos e estamos nos aperfeiçoando a cada dia, assim como eu, minha equipe é muito focada e sempre se desafia a fazer cada vez melhor”.

 

A garotinha Andréia que aprendeu a cozinhar com 8 anos, percorreu o seu caminho e se tornou em uma grande mulher: esposa, mãe e empreendedora. Que seu empenho na cozinha inspire pessoas a lutarem pelos seus ideias, mantendo a fé em Deus no topo do cardápio.

 

Por: Bruna de Moraes Silva

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.